segunda-feira, 20 de junho de 2016

Workshop yoga para Gestantes, Mães e bebês - Anne Sobotta

Oficinas em Vitória-ES – Novembro de 2016

18-20 de Novembro de 2016
Workshop intensivo

Yoga na Gestação e no Parto – A arte de facilitar o nascimento.
Para que serve? Os recursos do yoga como auxílio na gestação e no parto.

Público alvo: doulas, parteiras, professores/as de yoga, yoguis/yoguinis experientes e outros profissionais da assistência ao ciclo grávido-puerperal.
Gestantes bem vindas!

Carga horária: 14 horas.

Horários: Sexta F. 18/11 das 14h ás 18h, Sábado 19/11 das 14h ás 18h e Domingo 20/11 das 09h as 16h (com intervalo para almoço). Horários sujeitos a confirmação.

Local:
GestaVida.
 Rua da Grécia, 320A, sala 205 – Barro Vermelho, Vitória – ES

Organização e Inscrições:

* GestaVida
(27) 3045-7773 / (27) 99743-6786

* Denis Karenkin
(27) 99931-9943
dkarenkin@gmail.com

Descrição
Estaremos oferecendo esse workshop em Vitória pela primeira vez, visando colaborar para o aprimoramento do atendimento oferecido pelas doulas e parteiras e pelos professores de yoga ás mulheres gestantes no Espirito Santo e região.
Entendendo que a prática de yoga para gestantes vai muito além da simples adaptação e restrição da prática ” regular” do yoga (visão muito comum na formação de professores de yoga),  destacamos a dimensão feminina do yoga, tanto em sua prática quanto em sua história.
Iremos aprofundar os recursos que o yoga nos oferece para auxiliar a gestante para uma gestação e um parto mais saudáveis e prazerosos. Veremos, na teoria e principalmente na prática, como melhorar a consciência corporal e respiratória, e porquê isso é importante, aprendendo práticas eficazes para aliviar os desconfortos comuns da gestação e entendendo também o que se deve evitar, entre outros.
O yoga na gestação é um mergulho em instintos esquecidos, corpos vibrantes, mentes focadas, reintegrando sua plena potência!
Um bom profissional do yoga pré-natal deve entender a filosofia do yoga e seus princípios fundadores e também a gestação e o parto como eventos sócio-cultural e espiritual. Os profisssionais da assistência ao ciclo grávido-puerperal encontrarão, neste workshop, recursos novos para oferecer às gestantes um atendimento mais holístico e satisfatório e, esperamos, melhorar os desfechos perinatais.

Conteúdo programático:
  • Yoga na gestação e no parto – A arte de facilitar o nascimento
  • As mulheres no Yoga – uma história desconhecida
  • Fisiologia da gravidez, parto, hormônios, sistema neurocerebral na luz do yoga
  • Consciência corporal e respiratória
  • Desconfortos comuns da gestação
  • Como cuidar das emoções e das ansiedades, desenvolver a auto-confiança
  • Contra-indicações relativas e absolutas á prática de yoga na gestação
  • Assoalho pélvico: comprender, acessar, cuidar.
  • Pranayamas e práticas meditativas e de relaxamento na gestação e no parto
  • Yoga, ciência e humanização do parto e do nascimento
Técnicas apresentadas e recursos utilizados: práticas de yoga (incluindo massagens, relaxamentos conduzidos, visualizações, respirações, vocalizações, movimentos), apresentações audio-visuais e vídeos.

Investimento:  Até 1 de setembro 2016 R$500,00
 A partir do dia 01/09/16 R$600,00.


Depósito de R$200,00  na inscrição para garantira sua vaga.

***

19 de Novembro de 2016:
Oficina de yoga e massagem para bebês

Público alvo: mães, pais e seus bebês de 0 a 10 meses.
Gestantes são também bem vindas*
Carga horária: 04 horas.
Horários: Sábado 19/11 das 09h ás 13h (sujeito a confirmação)

Local:
GestaVida.
 Rua da Grécia, 320A, sala 205 – Barro Vermelho, Vitória – ES

Organização e Inscrições:

* GestaVida
(27) 3045-7773 / (27) 99743-6786

* Denis Karenkin
(27) 99931-9943
dkarenkin@gmail.com

Descrição

Num clima aconchegante, falaremos de alguns conceitos-chaves sobre o nascimento e os primeiros meses de vida, como eles podem impactar na saúde e na vida desse novo ser a curto e longo prazo, e como a prática do yoga e da massagem terapêutica em bebês pode auxiliar.
Iremos considerar em particular os bebês (e as mães) que passaram por algum tipo de dificuldade ou trauma, tanto na gestação, no parto ou depois.
Faremos práticas de yoga e massagem nos bebês e, se der tempo, também nas mães!
* Gestantes deverão trazer um boneco de pano para as práticas (de aprox. 50cm e comprimento).

Investimento: 

R$80,00 para mãe-bebê,
R$140,00 para pais-bebê; 
R$60,00 para gestante,
R$140,00 para gestante e acompanhante.



quarta-feira, 20 de abril de 2016


Continuação.... 
 
 
 
 Primeiro Ultrassom... Depois do primeiro ultra a sensação foi de alívio!!! Ahhh tem bebê, está tudo bem, tem coração e como bate: 172bpm!!! Ufaaa posso ficar mais tranquila.

Na próxima consulta a médica me perguntou: "Já fez o ultra de 8 semanas e aí vai contar??" E eu disse não, vamos aguardar!!!!! No próximo ultra: lá estava o bebê, enorme, já tinha a cara do pai.... Nem tivemos oportunidade da surpresa do sexo, estava claro que era um menino.

Ainda não tinha vontade de contar para ninguém sobre a gestação.
Contei para minha família e amigos próximos e pedi para não colocar nada na internet pois ainda não me sentia a vontade com isso.

Também fiquei com receio das pacientes acharem que eu não daria conta de acompanhar partos.
Talvez pensando como elas se sentiram no primeiro trimestre e talvez elas quisessem me poupar no trabalho de parto, mas eu estava ótima.
Acompanhei 30 partos nesses 3 primeiros meses e graças a Deus, todos foram ótimos.

E assim se passaram os 3 primeiros meses, sem enjôos, sem cansaço, sem sono, sem nada. Passei muito bem por esse período. Hoje estou com 16 semanas aguardando as chutinhos do bebê!

Foto: @juliagabrielafotografia

#doula
#minhagestacao #gestante #gestacao #fisiodoula #exercicioparagestante #pilatesparagestante #preparacaoparaoparto #gestavida #thaisramos #itsaboy #maedemenino #juliagabrielafotografia
— com Júlia Gabriela e Ricardo Akira.

terça-feira, 19 de abril de 2016

A descoberta....




Estávamos tentando engravidar, então a descoberta da gestação foi bem tranquila, apesar da ansiedade.

Engravidamos no primeiro mês de tentativa.

Descobri antes mesmo da menstruação atrasar.

Sonhei que estava grávida e que estava fazendo ultrasom e eu estava muito feliz.

Minhas mamas estavam um pouco maiores e sensíveis, então para acabar com a ansiedade eu pensei: Vou fazer o exame. Ou vai me dizer que não é ainda e a menstruação irá descer ou descubro que estou grávida.

Lembro como se fosse hoje. Comprei, fiz o teste e primeiramente deu uma listra só. Na bula falava em esperar 5 min, mas queria o resultado imediato. Fui fazer outras coisas e quando voltei estava lá, a outra listrinha clarinha, clarinha...

Fiquei muito feliz, chorei, gritei uhuuuu e pensei, mas será?

No mesmo dia fiz os exames de sangue, os dois, para ter certeza mesmo (rs) e avisei minha obstetra.

E o resultado deu que estava com no máximo 2 semanas, valor baixinho, baixinho.

Pensei que ansiosa que sou...

Descobri muito cedo, essa gestação vai demorar para passar.

Até o primeiro ultra, passei por umas crises de ansiedade do tipo, será que tem bebê aqui, será que está tudo bem?

Acho que todas as mães passam por isso, mas como trabalho com gestante, já tive várias pacientes que tiveram abortos com 6,8, 12 semanas.

Então a minha sensação era que poderia acontecer um aborto a qualquer momento.

Há anos faço musculação com personal e spinning 3 vezes por semana. Desde que descobri a gestação não parei com nada.

Continuei minhas atividades, só monitorando um pouco melhor os batimentos cardíacos e o cansaço.

Continua...

#gestavida #minhagestacao #gestante #gestacao #gravidez #descoberta #thaisramos

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Chegou a minha Vez!!!!

É com enorme prazer que comunico que uma nova jornada se inicia... 

Cuidei de muitas, muitas gestantes durante todos esses anos e agora... 

 Chegou a minha vez!!!! 

Chegou a minha vez de experimentar a maravilha de ter um bebê crescendo dentro de mim;

De sentir as angústias da gestação;

De sentir os incômodos gestacionais;

De sentir como é prazeroso o bebê mexendo;

De sentir a energia das pessoas ao nosso redor;

De aprender a amar da forma mais intensa e verdadeira;

De parir.... 

Espero que essa gestação me ajude ainda mais a entender o universo feminino e a compreender o que só sei na teoria!!!! 

Agora me sinto completa!

Meu ‪#‎babyakira‬ vem aí!!!!! 

Foto da maravilhosa @juliagabrielafotografia, que preparou com enorme carinho esse ensaio junto com seu marido Marcus do @espiritoaloha que fez esse desenho lindo!!!!



sábado, 12 de setembro de 2015

Laceração x Episiotomia

E por esse e outros motivos que grito para o mundo inteiro ouvir que: É possível ter períneo íntegro, tendo consciência da musculatura do períneo e fazendo a massagem perineal.
Todas as mulheres devem saber que não precisam de "corte na vagina".
Tenho muito, muito orgulho dos períneos íntegros!!! E as gestantes tbm.. Não é mamães?!
------------------------------
E assim nasceu Liz depois de um trabalho de parto longo e difícil...
24h total de trabalho de parto
10h de fase ativa
3h de período expulsivo
E ela conseguiu, com muito orgulho, sem analgesia!!! Com períneo íntegro!!!!
Parabéns papais!!!!!!
‪#‎gestavida‬ ‪#‎exercicioparagestante‬ ‪#‎partonormal‬ ‪#‎thaisramos‬ ‪#‎perineointegroparatodas‬

Texto: Vila Mamifera

O parto normal no Brasil não é nada normal. Cheio de intervenções e procedimentos que são uma verdadeira violência contra as mulheres. Este tipo de parto deixa marcas, não só no períneo, mas principalmente na psique feminina, perpetuando o terrível imaginário sobre a prática do parto “normal”.
A verdade é que existem poucos médicos que verdadeiramente sabem deixar a mulher se conduzir a um parto natural, sem as intervenções e a terrível prática da episiotomia.
Segundo a médica Ginecologista, Obstetra e Parteira, Melânia Amorim, a episiotomia consiste numa incisão do períneo (parte de pele, músculos etc. entre a vagina e o ânus) para ampliar o canal de parto e sua prática foi historicamente introduzida no século XVIII por uma parteira irlandesa para ajudar o desprendimento do bebê em partos difíceis.” Embora não tenha ganhado popularidade no século XIX, o procedimento tornou-se disseminado no século XX em diversos países, sobretudo nos Estados Unidos da América e países latino-americanos, entre eles o Brasil. Foi nesta época em que a percepção do nascimento como um processo normal requerendo o mínimo de intervenção foi substituído pelo conceito do parto como um processo patológico, requerendo manipulações médicas para prevenir lesões em mãe e bebês”, afirma a médica em seu artigo (clique aqui para ler na íntegra).
Daí por diante a episiotomia se difundiu e obstetras famosos de meados de 1920 sugeriam que a incisão perineal, juntamente com o fórceps fossem utilizados em todos os partos de mulheres que estivessem parindo pela primeira vez (primípiras). O objetivo de tal recomendação visava reduzir a probabilidade de lacerações perineais graves e o risco de trauma fetal.
Sabemos que o dominó de intervenções é o grande vilão das lacerações graves no parto normal. Afinal, uma posição de cócoras aumenta em 30% a abertura do canal vaginal; não fazer força na hora do expulsivo (ato impossível quando a mulher está anestesiada) e a massagem do períneo ajudam a reduzir o risco das lesões mais graves.
Melânia diz que alguns autores mencionam que a prática da episiotomia aumentou consideravelmente a partir da década de 1950 porque muitos médicos acreditavam que sua realização reduzia significativamente o período expulsivo, o que lhes permitia atender rapidamente a grande demanda de partos hospitalares.
A laceração é um rompimento orgânico dos músculos perineais para permitir a passagem do bebê. Por respeitar o desenho natural do tecido a recuperação do mesmo é muito mais rápida e os traumas infinitamente menores se comparados com uma episiotomia.
A adoção de posições que facilitem a abertura vaginal, a ausência de manobras e procedimentos médicos ajudam a reduzir o risco de lacerações que acontecem em primeiro grau (envolve a fúrcula, a pele perineal e a membrana mucosa vaginal), segundo grau (envolve a fáscia e o músculo do corpo perineal), terceiro e quarto graus, ( que envolve o esfíncter anal e a mucosa retal, respectivamente) estas últimas bem mais raras em partos naturais.
Em minhas conversas neste mundo mamífero vejo relatos de mulheres que disseram que suas episios demoraram bem mais para cicatrizar (comparado com as mulheres que tiveram laceração) e as dores durante as relações sexuais continuaram, mesmo tendo passado mais de 3 meses.
Se mesmo uma laceração de grau mais elevado é melhor que uma episiotomia, porque os obstetras continuam usando como rotina?
Bem, a resposta imediata que me vem é que é muito mais fácil costurar a linha reta da episio do que as curvas de uma laceração. Outro ponto que em um evento sobre períneo íntegro, em um dos Hospitais com as maiores taxas de cesárea e práticas médicas ultrapassada, é que uma mudança de comportamento leva anos para ser disseminada no meio médico.
A discussão, na verdade, ganha uma esfera mais ampla. No país com uma das maiores taxas de cesariana do mundo , conseguir um parto normal é uma raridade e pode ser muito traumático, nos moldes intervencionistas. Eu não vejo outro caminho senão lutar por um parto natural humanizado, negando a episiotomia, os velhos conhecimentos médicos e buscando um caminho natural.
Mulheres que fazem a massagem perineal têm grande redução no risco de lacerações. A técnica é usada para ajudar no alongamento/flexibilidade e preparar a pele do períneo para o parto. Essa massagem não vai apenas preparar o tecido do seu corpo, mas vai também é um uma fonte de conhecimento sobre as sensações do parto e como controlar esses poderosos músculos. Durante o expulsivo, o períneo deve se manter relaxado.

    • Encontre um lugar onde se possa sentar e estar sozinha, ou com seu parceiro, ininterruptamente.
    • Tente ver seu períneo com ajuda de um espelho, note como ele é. Nem sempre será necessário um espelho para essa tarefa!
    • Pode usar compressas com toalhas mornas no períneo por 10 minutos, ou tomar um banho morno (de banheira, assento, ou chuveiro, em último caso), caso precise relaxar.
    • Lave as suas mãos e peça ao seu companheiro para fazê-lo também, caso ele a ajude nas massagens.
    • Lubrifique seus dedos polegares e o períneo. Você pode usar muitos tipos de lubrificantes: Gel Lubrificante Íntimo (encontrado nos hipermercados e farmácias), KY Gel®, óleo de vitamina E, óleo vegetal puro (óleo de semente de uva é uma boa indicação!), etc. Para quem tem candidíase recomendo óleo de coco com uma gota de melaleuca TeaThree.
    • Coloque seus dedos polegares um pouco dentro de sua vagina, empurre-os para baixo e pressione para os lados. Deve sentir um leve estiramento, formigamento, ou uma leve queimação, mas nada que seja dolorido. Mantenha esse movimento por 2 minutos ou até que região fique levemente adormecida.
    • Se sofreu uma episiotomia ou lacerações prévias, preste especial atenção ao tecido de cicatrização que, geralmente, não é tão elástico e é onde a massagem deve ser feita mais intensamente, com cuidado.
    • Massageie em volta e por dentro da região mais externa da vagina e seus tecidos, onde ela se abre, e mantenha sempre a lubrificação.
 Use seus polegares para puxar um pouco os tecidos, forçando-os a abrirem-se, imagine como seria se a cabeça do seu bebé estivesse
  • fazendo esse movimento na hora do parto.
 Se seu parceiro estiver fazendo a massagem, pode ser muito útil que ele use os polegares. A sensação pode ser mais bem percebida por você, mas não deixe de guiá-lo com suas sensações para que ele saiba qual a pressão que deve utilizar. Nesta massagem, quando ela está sendo feita pelas primeiras vezes, é comum que seja possível usar somente um dedo, até que a musculatura seja trabalhada e possa ser estendida.

Cuidados:
1. Evite mexer no ou abrir o orifício da uretra (logo acima da vagina) para evitar infecções urinárias.
2. Não faça massagens no períneo se você tiver lesões ativas de herpes (isso pode causar o aumento da área das lesões).
3. Pode começar essas massagens em torno da 34a semana de gravidez. Se já passou da 34a semana e ainda não começou, não desista! A massagem pode trazer-lhe benefícios ainda assim. Pode fazê-la pelo menos uma vez por dia.
4. Lembre-se que a massagem sozinha não vai proteger seu períneo, mas ela é parte de um grande esquema. Escolher uma posição vertical para parir (de cócoras, de joelhos, sentada etc.) favorece a distribuição de pressão no períneo. Se escolher parir deitada de lado, isso também reduz muito a pressão no períneo. Deitada de costas, totalmente na horizontal, é a posição para parir em que há mais chances de se provocar lacerações e necessidade de episiotomia.
Você passou por uma episio? Como foi a experiência? Teve laceração no parto? De qual grau e a que atribui? Teve um parto sem laceração? O que garantiu o sucesso. Sua experiência pode ajudar outras mulheres a optarem por um parto natural.

Contando os dias para o bebê chegar...



O último mês é um mês de grande ansiedade para os papais e para as famílias que esperam ansiosamente por esse bebê.


Vocês esperaram 8 meses tranquilas para a chegada do bebê, mas quando faltam 4 semanas, vocês ficam com a ansiedade nas alturas.





Vamos tentar ficar mais tranquila?!

Vou dar algumas dicas do que fazer:

1- Hoje em dia a maioria das mulheres trabalham fora.
Tire essas últimas semanas para descansar do trabalho. Tire um tempo para você e seu bebê.
Quanto tempo você tira por dia para conversar com seu bebê? Para senti-lo mexer, junto com seu marido?

2- Curta a barriga. Tire fotos desses últimos dias... A maioria das gestantes sentem falta da barriga no pós parto.

3- Faça atividades que vocês não conseguirão fazer logo quando o bebê nascer.
- Ir ao cinema;
- Comer num restaurante que goste;
- Gosta de sair a noite? Faça as últimas saídas;
- Gosta da casa cheia de amigos? Chame todos para um churrasco.

4- Tem filhos mais velhos? Brinque muito, converse, e mostre o quanto ele é um importante e que ele não perderá seu posto.

5- Faça uma noite romântica com seu marido, curta esse momento a dois, compartilhe seus medos sobre a maternidade e sobre a vida a dois.

E relaxe, quanto menos ansiosa você ficar, mais rápido seu bebê chegará.

#gestavida #exercicioparagestante #fisiodoula #thaisramos #partonormal #partohumanizado #birth #birthwithoutfear #pilatesparagestante